Setembro Amarelo


11 de setembro de 2019

Foto:

A agenda do Setembro Amarelo segue cada vez mais recheada de programações nas unidades de Saúde de Aparecida. Nesta última segunda-feira (09) aconteceram ações no Cais Nova Era e também na UBS Veiga Jardim. A iniciativa partiu dos próprios funcionários, dispostos a engajar toda a comunidade para a importância do tema. A depressão é considerada a principal doença causadora de incapacidade no mundo e contribui de forma severa para a contração de diversos outros males, em alguns casos podendo inclusive levar a pessoa a atentar contra a própria vida. Em Aparecida de Goiânia foram registrados 921 casos de autoagressão entre 2010 e 2019.

O Cais Nova Era preparou uma ação de promoção da saúde em favor a vida. Durante todo o dia foram expostos nas recepção da unidade informes com dados relativos ao número de suicídios acontecidos no Brasil e no mundo e chamando a atenção a respeito da agenda do Setembro Amarelo. No período da tarde foi realizada uma explanação sobre os objetivos da data. “Nós acreditamos que temos um papel essencial na vida de nossos usuários e acreditamos que ações assim são capazes de influenciar na vida de quem passa por ali e que a promoção à saúde é um importante instrumento para mudarmos a nossa realidade” – explica a enfermeira Josiane Borges, responsável pela ação.

Ela explica que foram relatados os altos índices de suicídio existentes. “O assunto é um tabu em nosso convívio, por isso existe uma necessidade de falarmos a respeito na nossa família e comunidade. Chamamos a atenção sobre os sinais de depressão e enfatizamos sobre as frases comumente ditas pelas vítimas e como ajudar” – completa. Ela conta que no bate papo foi explicado como funciona o do fluxo de atendimento em Saúde Mental no município. “Acreditamos que informações precisas sobre onde procurar ajuda podem ajudar pessoas que passam por essa situação”.

Já na UBS Veiga Jardim, foi realizada uma roda de conversa com as gestantes que são atendidas na unidade. Na ocasião, foram abordados assuntos como doenças congênitas, suicídio e depressão pós-parto. Ao final as futuras mamães receberam kits contendo fraldas descartáveis, luvinhas , roupinhas e sabonetes. “Vale lembrar que 68% dos casos ocorridos no município foram com pessoas do sexo feminino, com predomínio em jovens de 15 a 29 anos. Uma média de 29,3 óbitos por tentativa de suicídio no período de 2010 a 2018, com taxa de mortalidade por lesões autoprovocadas em 2018, de 6,01 óbitos para cada 100 mil habitantes” – pontua Valdir Antunes, gestor da unidade.

Conheça a doença

O Ministério da Saúde descreve a depressão como uma doença que afeta o nosso emocional e que se manifesta sob a forma de tristeza profunda, falta de apetite, de ânimo, pessimismo e baixa auto-estima. Esses sintomas aparecem com frequência e geralmente combinam-se entre si. Carolina Sartori, que é coordenadora de Saúde Mental do município, explica que acompanhamento médico é imprescindível tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento. Segundo ela, considerada pela OMS como o “Mal do Século”, a depressão pode provocar no indivíduo a ausência de prazer em coisas que antes faziam bem e também grande oscilação de humor e de pensamentos que podem culminar em comportamentos e atos suicidas. “Cada caso requer um tipo adequado de tratamento, que pode ser realizado com auxílio médico profissional, psicólogos, psicoterapeutas e também medicamentos. Em qualquer uma das formas o apoio da família é fundamental” – pontua.

Você não está sozinho

Se você apresentar qualquer um desses sintomas e quiser a ajuda de um profissional existem dois caminhos. Dirija-se à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua casa e marque uma consulta com um clínico geral, ele irá te encaminhar para o profissional adequado ao seu caso, seja ele psicólogo ou psiquiatra, que atenda mais perto da sua residência. Você também pode ir direto ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPS Bem-Me-Quer), localizado no Setor Araguaia, que já conta com uma equipe multiprofissional treinada para atender diversos casos ou indicar o tratamento no local adequado, dentro da rede municipal de Saúde.

Em casos de urgência, a pessoa com transtorno deve ser levada à Unidade de Pronto Atendimento Geraldo Magela, (UPA Flamboyant), que oferece atendimento psiquiátrico 24 horas por dia, todos os dias da semana. Saiba que você nunca estará sozinho porque, ao todo, são cerca de 45 psicólogos realizando atendimentos nas diversas unidades da rede e que completam a equipe multiprofissional da Saúde Mental de Aparecida, que é responsável por mais de cinco mil atendimentos mensais. Além disso, a rede municipal também possui um Núcleo de Cuidados em Saúde Mental, responsável pelo acolhimento de casos de transtorno do humor, ansiosos e psicoses não contempladas nas outras unidades.

Casos de violência contra a mulher e de autoagressão ou qualquer tipo de violência  envolvendo crianças e adolescentes, registrados por profissionais que atuam nas unidades de saúde ou em escolas, são direcionados a esta equipe. O programa Consultório Na Rua atua de forma itinerante, com um trabalho de atenção integral à saúde da população em situação de rua do município. Para saber mais informações, ligue no número 3545-5969. Você também pode utilizar o número 188, do Centro de Valorização à Vida (CVV), para obter auxílio nos momentos de desespero.

Texto: Frederico Noleto

Fonte: Willian Mendes




Secretaria Municipal de Saúde
Rua Antônio Barbosa Sandoval, n°16, quadra 4, lote 1, APM 3, Centro – Aparecida de Goiânia – GO.
Telefone Geral: (62) 3545-5883

Imprensa